Rastreios Oncológicos

Na USF Descobertas rastreamos os nossos utentes de acordo com a proposta do Programa Nacional para as doenças Oncológicas da Direção Geral da Saúde. Os programas de rastreio destinam-se ao diagnóstico precoce dos cancros da mama feminina, do colo do útero e do cólon e reto, em população assintomática, e sem outros fatores de risco para além da idade e do sexo.

As doenças oncológicas são atualmente uma causa significativa de morbilidade e mortalidade, com um peso crescente na nossa sociedade e para o Serviço Nacional de Saúde (SNS) - em Portugal, o cancro constitui a 2ª causa de morte depois das doenças cérebro-cardiovasculares.

As causas evitáveis de cancro são de grande importância, não sendo nunca demais realçar o papel do tabaco como a causa evitável mais importante. Também existem outros fatores de risco conhecidos como a exposição solar, os erros alimentares, a obesidade, o consumo excessivo de álcool e a infeção por alguns vírus.

Os programas de rastreio de doenças oncológicas de base populacional permitem a identificação de lesões precursoras de situações malignas ou estádios iniciais da doença através do diagnóstico precoce. Assim, têm assim como objetivo aumentar o sucesso da abordagem da doença oncológica, diminuindo a sua morbilidade e mortalidade, constituindo um instrumento de reconhecida importância no combate ao cancro e na diminuição dos gastos com tratamentos.

NÃO se podem rastrear todos os cancros; na verdade, são muito poucos os que é possível e faz sentido rastrear. Devem ter as seguintes características:

  • apresentar um período assintomático longo;

  • apresentar alterações que possam ser detetadas na fase assintomática;

  • ter testes de rastreio com qualidade, acessíveis e aceitáveis para os pacientes;

  • ter tratamento aceitável para os pacientes, conduzindo efetivamente a um melhor resultado final.

Infelizmente, uma parte significativa de cancros não possui estas características.

À luz dos conhecimentos científicos atuais, há 3 cancros que faz sentido rastrear:

Atualmente, discute-se se fará sentido rastrear o cancro da próstata. A decisão de rastrear ou não este cancro através da análise do PSA deve ser ponderada especificamente entre o paciente e o seu médico.

Cada caso é um caso, pelo que se pretende saber se tem os rastreios oncológicos atualizados, entre em contacto connosco presencialmente, via telefone ou email.