Hipertensão/Diabetes

Na USF Descobertas disponibilizamos aos nossos utentes consultas para vigilância e seguimento de duas importantes patologias crónicas: a diabetes mellitus (DM) e a hipertensão arterial (HTA), fatores de risco para o desenvolvimento de doença cérebro-cardiovascular.

A diabetes mellitus (DM) é a subida anormal e descontrolada da glicémia ou "açúcar no sangue" causada por problemas com a produção de insulina ou com a sua ação nas células, a chamada "resistência à insulina". A insulina é uma hormona produzida pelo pâncreas, necessária para transportar a glicose (açúcar) do sangue para o interior das células, onde é utilizada para produzir energia.

Existem dois tipos principais de diabetes:

  • DM tipo 1: surge habitualmente na infância ou adolescência e resulta de falência do pâncreas em produzir insulina, sendo esta sempre necessária para o seu tratamento;

  • DM tipo 2: início mais tardio, por resistência à ação da insulina, estando muito associada a obesidade, sedentarismo e uma história prévia familiar DM2.

A DM afeta um grande número de pessoas, constituindo entre nós um problema não só individual e familiar, mas também de saúde pública, de proporções muito importantes.

Esta doença pode ter várias complicações, atingindo diferentes órgãos-alvo, nomeadamente:

  • Olho - pode levar à cegueira;

  • Rim - risco de insuficiência renal e diálise;

  • Vasos sanguíneos - aumento do risco de AVC ou amputação ao nível das pernas;

  • Coração - maior probabilidade de enfarte do miocárdio;

  • Nervos sensitivos - alteração da sensibilidade com início habitualmente nos pés;

  • Orgãos sexuais - com disfunção sexual.

Salienta-se a importância do controlo da DM, através da adoção de estilos de vida saudáveis (alimentação equilibrada e prática regular exercício físico) associada à toma da medicação (antidiabéticos orais, injetáveis ou insulina) conforme acordado com o seu médico de família.

A consulta vigilância do doente com DM ou em risco de diabetes, tem como principais objetivos a promoção da saúde, a prevenção, o diagnóstico, a orientação e a prescrição da terapêutica de modo a reabilitar o doente diabético. Neste sentido, o doente diabético deve realizar pelo menos 2 a 4 consultas anuais (médicas e de enfermagem) de forma a monitorizar e realizar os rastreios adequados, bem como análises de controlo da doença e eventuais complicações que possam surgir.

A pressão arterial é exercida nas paredes das artérias quando o coração bombeia sangue para o corpo e caracteriza-se por dois parâmetros:

  • Pressão arterial sistólica ou “máxima” quando o coração contrai;

  • Pressão arterial diastólica ou “mínima” quando o coração relaxa.

Classificamos como hipertensão arterial (HTA) quando a pressão arterial “máxima” for 140 mmHg ou mais e/ou a pressão arterial “mínima” for 90 mmHg ou mais em pelo menos 2 medições realizadas em ocasiões diferentes.

hta1_edited.png

Regra geral, a HTA não provoca quaisquer sintomas nos primeiros anos de doença. Nalguns casos, pode manifestar-se através de dores de cabeça, tonturas, mal-estar difuso, visão desfocada, dor no peito ou sensação de falta de ar. Com o passar dos anos, a HTA acaba por causar lesão em órgãos essenciais, sendo considerada fator de risco significativo para:

  • Doença vascular cerebral;

  • Alterações cognitivas;

  • Doença coronária;

  • Insuficiência cardíaca;

  • Fibrilhação Auricular e outras arritmias;

  • Insuficiência renal;

  • Doença vascular periférica;

  • Disfunção erétil.

A HTA é um importante problema de saúde pública uma vez que constitui uma das principais causas de mortalidade a nível mundial. Em Portugal, quase metade da população sofre desta patologia.

O doente hipertenso deve optar por uma alimentação diversificada, baixa em sal e gorduras, praticar exercício físico diário (pelo menos 30min/dia) e evitar o tabaco, álcool e o stress. Paralelamente, é também muito importante cumprir todos os dias a medicação prescrita pelo médico de família e vigiar a pressão arterial em casa ou na farmácia, preferencialmente com um medidor de braço em vez de pulso.

Para um controlo mais otimizado, o doente hipertenso deve realizar pelo menos duas consultas médicas anuais de forma a ser avaliado clinicamente, bem como monitorizado através da medição da pressão arterial e da realização de análises da HTA e pesquisa de eventuais patologias associadas.

Se pretende agendar uma Consulta de Diabetes ou de Hipertensão, entre em contacto connosco presencialmente, via telefone ou email.