Notícias

Com a Primavera chega a rinite

Adriana Silva

Na atualidade, enfrentamos uma pandemia provocada por um vírus respiratório (SARS-CoV-2) que tem originado consequências devastadoras a nível mundial. Contudo, é importante não nos esquecermos que continuam a existir outros problemas de saúde, nomeadamente agudizações de doenças crónicas que facilmente se confundem com a COVID-19. Uma dessas patologias é a rinite alérgica, que afeta cerca de 22% da população portuguesa e cujas exacerbações se costumam manifestar na Primavera


A rinite alérgica é uma doença inflamatória crónica da mucosa nasal e na sua origem, para além de uma predisposição genética, sabe-se que a exposição a determinados estímulos (alergénios) está associada a uma reação do sistema imunológico – pó doméstico, pêlos de animais, fungos, poeiras e pólenes (cujas concentrações no ar aumentam na Primavera). 

As principais manifestações são espirros, comichão nasal, corrimento no nariz alternado com nariz entupido e dificuldade na perceção de cheiros.

A rinite alérgica pode afetar negativamente a qualidade de vida através de despertares noturnos frequentes, resultando em cansaço generalizado, dores de cabeça e irritabilidade e nas crianças pode estar ainda associada a uma diminuição da concentração e da capacidade de aprendizagem.

Relativamente à sua gravidade, a rinite não é preocupante se os sintomas ocorrerem em menos de 4 dias por semana e durarem menos de 4 semanas seguidas. Mas, se tal acontecer, a rinite é considerada persistente e a procura de ajuda médica não deve ser adiada.

O tratamento assenta em medicação anti-inflamatória, anti-alérgica e descongestionantes, de aplicação local ou sistémica e, simultaneamente, o doente deve manter uma higiene adequada das fossas nasais, utilizando regularmente soro fisiológico ou água do mar.

No âmbito das doenças alérgicas, para além da terapêutica farmacológica, é igualmente importante a prevenção das crises, sendo a evicção dos alergénios a base para o sucesso do tratamento. Neste contexto, recomendam-se as seguintes medidas:

  • Ventilar e arejar a casa e os quartos, de preferência com exposição solar; 

  • Optar por mobiliário simples e reduzido, paredes lisas e pintadas, evitando o papel de parede e cortinas;

  • Evitar elementos que acumulam pó como tapetes, alcatifas, livros e no caso das crianças peluches;

  • Aspirar pelo menos 2 vezes por semana o chão e o colchão da cama;

  • Preferir lençóis e fronhas de algodão, que devem ser lavados semanalmente a temperaturas elevadas (+60°C);

  • Limitar a entrada de animais domésticos, mantendo-os no exterior da casa;

  • Consultar os boletins polínicos na Primavera;

  • Utilizar óculos de sol;

  • Evitar atividades ao ar livre, sobretudo quando as concentrações de pólenes forem mais elevadas.

Seasonal-allergies-pollen.png